Bariloche - A porta de entrada da Região dos Lagos

Bariloche - A porta de entrada da Região dos Lagos

5 min leitura
San Carlos de Bariloche é a porta de entrada da Região dos Lagos na Patagonia Argentina. Fica em uma região mais ao sul da Argentina, mas fica bem ao norte da conhecida cidade do fim do mundo, Ushuaia.

Para que tenham uma ideia da distância, seriam necessários mais de 2100km de estrada para poder chegar até Ushuaia. Irá desbravar pelas "rutas" patagônicas durante horas completamente sozinho, sem cruzar nenhum veículo, completamente rodeadas de deserto e com fortes rajadas de vento vindo do sudoeste antártico. Depois terá que cruzar o Estreito de Magalhães de balsa, para finalmente chegar até Ushuaia. Eu já fiz sozinho este trecho de camionete 4x4 e garanto, nada difícil em questões de terreno e asfalto, mas sim, uma estrada com muitas questões a serem pontuadas, que deixo para falar em outro post.

Origem do Nome Bariloche
Para aqueles que tem um pouco de curiosidade, como eu, fica aqui a explicação de onde veio o nome:

O nome completo da cidade é San Carlos de Bariloche, e veio de um mal-entendido ou uma piada ...Bariloche vem de "Vuriloche", uma palavra de origem mapuche que significa algo como "pessoas do outro lado da montanha".
A primeira parte do nome ("San Carlos"), aparentemente se originou de uma carta enviada a Don Carlos Wiederhold Piwonka, um comerciante alemão que veio do Chile e se estabeleceu na área abrindo uma loja geral. Ao fazer uma piada ou por engano, quem o enviou a carta escreveu "San Carlos" em vez de "Don Carlos" ("San" refere-se a um santo e "Don" é uma fórmula de cortesia que denota respeito).
Não está claro em que ponto essas duas partes do nome se uniram e se tornaram definitivamente o nome da cidade. 
fonte: Baripedia.com

O destino é rodeado de montanhas espetaculares, e pelo incrível, espetacular e imenso Lago Nahuel Huapi. O que posso dizer deste lago é, que faça chuva ou faça sol, ele é gelado pra caramba. Comprovei ao dar alguns mergulhos nele, gerando risadas em meus amigos, pois eu quase saia com hipotermia emocional de tanto que xingava eles por me dizerem que estava uma delícia a água. Claro, que meus amigos eram patagônicos.  O grande problema que eu tinha era olhar para aquela água completamente cristalina, pura e de um esverdeado esmeralda, e não dar um pulo nela em um dia quente, seria coisa de um brazuca medroso, pois meus amigos me olhavam de dentro da água e diziam: no va ser un brasileño maricón no?!!. O que poderia fazer? Lá ia eu...
No inverno me diziam que era meio comum morrer uns pescadores de trutas que se arriscavam de noite ao entrar para pescar (proibido pescar na época do inverno). Um vento que vinha das "entranhas" dos Andes entravam inesperadamente, viravam os barquinhos deles, e em menos de 3 minutos já morriam de hiportemia.

O destino é chamado muitas vezes pelos locais de "brasiloche" (de forma carinhosa), pela enorme quantidade de brasileiros que vão até a região se emocionar ao ver pela primeira vez a neve na vida. Todo o fascínio da neve é justificável, pois quando cai uma nevasca nesta região fica com uma beleza indescritível, algo que emociona a qualquer um. Para aliviar o frio, nos entregamos aos chocolates deliciosos da região - um dos que mais curto é o Mamuschka - ao vinho patagónico e a uma deslumbrante lareira.
Acredito que neste momento que escrevo este post (01/05/2020), em plena Pandemia mundial, eles devem estar sofrendo muito por saber que a cidade banhada de neve nos meses de julho a setembro estará vazia (normalmente neva nesta época, mas como o clima está incerto, já não se pode mais dar certeza de neve e nem de datas). A participação dos brasileiros no inverno de Bariloche é essencial para a sobrevivência econômica da região. Uma pena que este ano a Argentina vai ficar fechada até 01 de setembro (decisão do governo argentino). Espero que esta data seja antecipada por uma melhora inesperada em todo o nosso mundo.

Uma grande curiosidade de Bariloche é que ele é muito mais visitado pelos argentinos e chilenos no verão, da pra acreditar? Por que será né? Bom, vou responder pra vocês: A beleza na primavera e verão desta região é indescritível, tanto que National Geographic considera uma das vistas panorâmicas mais lindas do mundo de cima do Cerro Campanário, que você pode subir de teleférico de forma fácil e deliciosa. Eu já fui algumas vezes, e cada vez que vou me impacto e vejo algo diferente. E o melhor ainda, lá em cima tem uma cafeteria deliciosa com a impactante vista de sua mesa.
Dias intermináveis - luz do sol até 22:00 -  com paisagens lindas ao seu redor, você é conquistado pelas fotos das vitrines das agências, a se unir com um pequeno grupo a alguma atividade esportiva na montanha, no lago ou no ar... se sentirá como Bear Grylls (sem necessidade de se colocar a Prova de Tudo na Patagonia é claro).

Neste momento se fala muito da degustação de cerveja da Patagonia em Bariloche, cervejas artesanais com muito sabor, com estilo, e com a água pura da Patagonia que da um toque especial a qualquer cerveja. Uma das mais comentadas no momento é a Cerveza Patagonia. Não deixe de provar com um belo "ojo de bife a la parilla" con papas fritas....que saudade que bateu. Além da Cerveza Patagonia, que já é exportada aqui para o Brasil, visite a pioneira Berlina, que fica na Colonia Suiza e a Manush, que está no centro.

Bom pessoal, vou curtir um pouco o feriado e buscar uma Cerveza Patagonia na geladeira, para comemorar o dia do trabalhador em homenagem a todos envolvidos neste momento em salvar vidas deste vírus cruel que apareceu em nosso maravilhoso Planeta Terra, mas lembrem-se, nosso planeta já venceu muitos deles e nós seguimos em frente!!

Hasta lueguito!!
Jeff Gonzalez

Deixe uma resposta